Foliculite: tratamentos estéticos podem ajudar a controlar esse problema

0
foliculite

Esteticista fala sobre a inflamação, cuidados e tratamentos que auxiliam na redução da foliculite

Foliculite é uma inflamação aguda ou crônica, no folículo piloso, que ocorre em torno do pelo ou no bulbo (raiz), e pode ser caracterizada por uma contaminação por bactéria, fungo ou até vírus. Essa inflamação pode surgir em qualquer parte do corpo que tenha pelos, mas geralmente as áreas mais afetadas são: virilha, costas, nuca, glúteos, coxas e braços. Segundo a esteticista Ângela Coelho, hoje existem vários tratamentos que podem ajudar.

O peeling é uma das opções. Ele, que ajuda na renovação celular, evita que os pelos encravem. Assim, combate a proliferação bacteriana. “É um peeling específico, com fórmula home care, que ajuda bastante no combate a inflamação”, explica. Outra opção são os procedimentos com LED e uso de máscaras calmantes. A depilação a laser, é outro método eficaz, que enfraquece e elimina a raiz do pelo, acabando com a inflamação. O procedimento vai depender do grau de inflamação e é decidido após a avaliação de cada caso.

Tipos e causas

A foliculite pode ser classificada em dois tipos: o primeiro e mais comum é conhecido como “Superficial”, ou seja, a inflamação se instala no folículo piloso e a região acaba ficando avermelhada e sensível. Pode lembrar uma acne, pode ter ou não pus. Muitas vezes causa coceira. Já o segundo tipo – mais grave – é conhecido como “Profunda”. Aqui a inflamação começa na raiz do pelo e se estende por todo o folículo. É um tipo de infecção mais grave que possui um nódulo endurecido com pus (furúnculo). “Além de doer, a foliculite profunda pode deixar a pele com cicatrizes e destruir o folículo piloso se não for tratada adequadamente”, avalia Ângela.

As causas são as mais variadas: uso de roupas justas (a fricção, unida a umidade e calor, pode causar irritação); uso de lâminas de barbear; escoriações cutâneas; picadas de inseto; acnes; dermatites; uso de cremes esteroides e com antibióticos. Tudo isso serve como porta de entrada para microrganismos.

Para finalizar, Ângela elenca alguns cuidados que ajudam no combate à foliculite. “Mantenha a pele limpa, hidratada e seca. Faça esfoliação no mínimo duas vezes por semana para ajudar na renovação celular. Opte por roupas com tecidos leves e que não apertem. Não fique muito tempo com a roupa de banho molhada. Não esprema a área inflamada, pois pode gerar mais irritação. Não faça depilação com cera, opte pela depilação com linha ou lâminas de barbear, sempre no sentido do pelo. Ou ainda opte por cremes depilatórios que ajudam a não causar microlesões. Se seu caso for grave, o ideal é procurar um médico, para que ele possa receitar os antibióticos adequados”.

foliculite

Foliculite X Acne

Muitas pessoas costumam confundir acne e a foliculite, porém, elas têm algumas diferenças. As causas da acne são multifatoriais, podendo ser: predisposição genética, má alimentação, uso de medicamentos e infecção por bactéria.

Às vezes ela pode inflamar no folículo piloso, mas na grande maioria dos casos, a inflamação acontece na glândula sebácea que fica anexada ao folículo. Outra diferença é que normalmente a acne se propaga em locais distintos da foliculite em partes do corpo como: no rosto, tronco e colo.

Vale lembrar que a lesão causada pela acne pode, sim, evoluir e se transformar em foliculite caso haja contaminação de outros microrganismos como bactérias (mais comum é a Staphilococcus aureus), fungos ou vírus.