Procedimento não invasivo que auxilia no emagrecimento

 Por: Letícia Ferreira      Foto: Shutterstock.com

A obesidade é uma doença muito presente nos dias atuais. Seja pela facilidade de acesso na má alimentação ou pela falta de tempo em praticar atividades físicas. Segundo o Ministério da Saúde, nos últimos 10 anos, a obesidade no Brasil aumentou em 60%, passando de 11,8% em 2006 para 18,9% em 2016.

Além da cirurgia bariátrica e o balão intragástrico, a mais nova técnica desenvolvida para auxiliar o emagrecimento é a gastroplastia endoscópica. “Procedimento intermediário entre a bariátrica e o balão por endoscopia, a gastroplastia, na verdade, também se trata de um processo cirúrgico. Entretanto, por ser realizado por endoscopia oral, é menos invasivo”, afirma o médico Mauro Lucio Jácome.

A EndoSutura Gástrica (ESG) é indicada para pessoas que já tentaram perder peso através de acompanhamento médico/nutricional e não obtiveram sucesso, explica o doutor Luiz Henrique Mestieri, e complementa: “Inclusive para pessoas que têm IMC menor que 35, ou seja, não são candidatos à cirurgia bariátrica apesar de possuírem comorbidades como hipertensão ou diabetes. Está também indicada para pessoas que não têm condições clínicas de serem submetidas à cirurgia, ou, por fim, para pacientes que já fizeram a bariátrica e tiveram reganho de peso após o procedimento”.

Na gastroplastia, o endoscopista irá utilizar um equipamento de sutura chamado Ovestich (Apollo Endosurgery), que é capaz de dar pontos no estômago sem a necessidade de cortes no abdômen. “Vulgarmente falando, é como se déssemos uma ‘bainha’ em uma extremidade do estômago através de endoscopia”. Apesar de mais simples, o método exige anestesia e deve ser realizado somente em ambiente hospitalar. Como resultado, o paciente passa a ter um reservatório gástrico menor e, desta maneira, reduz sua alimentação diária, promovendo o emagrecimento.

Falando em mudança de hábitos, é necessário cuidados pós-operatório para que não haja probabilidade de retornar ao peso anterior. “Esperamos que qualquer pessoa que esteja disposta a tratar a obesidade entenda que esta é uma doença multifatorial. Assim, frisamos a importância de adquirir novos hábitos de vida, através de uma alimentação mais saudável, compreensão acerca dos problemas/causas que levaram à obesidade ou ao sobrepeso e à inserção da atividade física rotineira no dia a dia”, explica Luiz.

Por não ser um procedimento invasivo, o pós-operatório é bem tranquilo e simples, possibilitando que o paciente retorne às suas atividades de rotina após três ou quatro dias.

Aprovado pela Anvisa, o procedimento começa a ser realizado no país agora no segundo semestre. “É importante salientar que o método também funciona para a ‘reabordagem’ do estômago de pacientes já operados que ganharam peso novamente. Nestes casos, o dispositivo ‘reopera’ pós bariátricos que tiveram dilatação no estômago, promovendo, do mesmo modo, a perda de peso. A gastroplastia endoscópica será um poderoso aliado na mudança de hábitos para o combate desta doença”, complementa Mauro.

Veja também