Por Camilla Lóes

Fotos: Divulgação

Apesar do mito de que as mulheres não fazem parte do grupo de risco das doenças cardiovasculares, nós precisamos, sim, prestar atenção aos pequenos detalhes. Hoje em dia as mulheres ocupam um espaço forte no mercado de trabalho passível de grandes estresses. Além disso, o uso indiscriminado do tabaco associado à pílula anticoncepcional é fator determinante para a entrada das mulheres no grupo de risco de problemas cardíacos.slide01image01-1

Ter cuidado e se prevenir em relação a esses detalhes é essencial. Pensando nesse público, a Sociedade Brasileira de Clínica Médica lançou a Campanha Mulher Coração, que quer conscientizar e alertar as mulheres para os problemas de coração. “A iniciativa nasceu da necessidade de informarmos as mulheres acerca da prevenção de doenças cardiovasculares. Na maioria das vezes, elas não sentem os sintomas comuns, como dores no peito, e, por conseguinte, não valorizam os sinais de possíveis problemas. Aproximadamente 30% dos acidentes cardiovasculares acontecem entre a população feminina, no Brasil – assim, é de nossa responsabilidade divulgar as formas de identificar e evitar estes casos”, explica o Professor Antonio Carlos Lopes, presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica.

São 23 mil mulheres vítimas de doenças cardiovasculares que morrem por dia, segundo a Organização Mundial da Saúde. As estatísticas de câncer de mama e de útero são menores se comparadas aos problemas cardíacos.

A ação esperada é a conscientização da população na busca por auxílio médico como prevenção e para possíveis tratamentos. Seu ginecologista é o seu maior aliado para investigar a fundo possíveis problemas relacionados à saúde.

Além disso, ter uma rotina e alimentação saudável são medidas fundamentais para manter o organismo em dia!

Veja também