Por Camilla Lóes

Fotos: Istockphoto.com

Muitas crianças sofrem diariamente com déficit de atenção, entre outras coisas. Essa é uma questão muito pontuada pelos pais que percebem que seus filhos estão com mau desempenho escolar.

Segundo a psicóloga Thais Quarta, sócia-diretora da NeuroKinder, é importante que os familiares entendam que esse mau desempenho pode refletir diretamente no emocional e psicológico da criança, influenciando diretamente a vida adulta. “Por isso, é preciso investigar a causa, que pode estar relacionada a algum transtorno da aprendizagem ou ser apenas uma dificuldade de aprendizagem”, explica Thais.

É necessário que os pais entendam a diferença entre dificuldade escolar e transtorno de aprendizagem. Segundo a neuropsicopedagoga, Viviani Zumpano, a dificuldade escolar está relacionada com lacunas no processo de aprendizagem que podem ser geradas pelo modo como a criança está sendo ensinada (método de ensino), ou até mesmo por imaturidade do estudante. “Nesses casos, também é comum encontrar problemas na dinâmica familiar e na condição emocional da criança, como separação dos pais, mudança de escola, entre outros fatores”, afirma Viviani.

E os transtornos de aprendizagem estão ligados a problemas neurobiológicos, afetando diretamente o desenvolvimento de funções cerebrais. Os transtornos não são consequência da falta de oportunidade de aprender, nem acontecem por motivo de doenças ou traumatismos que afetam o cérebro. Eles ocorrem quando há alguma anormalidade no processo cognitivo e derivam de algum tipo de disfunção biológica, sem afetar o quociente de inteligência (QI).

“A criança com algum transtorno de aprendizado é capaz de aprender, porém, de uma maneira diferente. Uma equipe interdisciplinar, formada por psicólogos, neuropediatras, psicopedagogos, fonoaudiólogos, entre outros profissionais, pode orientar os pais e os professores para que juntos possam oferecer à criança ou ao adolescente um processo de aprendizagem baseado na utilização de instrumentos pedagógicos, adequados para cada tipo de transtorno”, explica Viviani.

 

 

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here