CUIDADOS NO VERÃO: Entrevista com a dermatopediatra Iwyna França

0
CUIDADOS COM AS PRINCIPAIS DOENÇAS DO VERÃO: Confira entrevista com médica especialista
CUIDADOS COM AS PRINCIPAIS DOENÇAS DO VERÃO: Confira entrevista com a dermatopediatra Iwyna França

Neste bate-papo com a especialista, confira as principais doenças do verão, como se prevenir e como proceder em relação a hidratação, repelentes e protetores solares

No verão, os cuidados com a pele devem ser redobrados, pois, além da grande exposição ao sol, também existem os riscos com insetos que carregam diversas doenças. Só que, com esse “solzão” convidativo e essas férias animadas, difícil não aproveitar a estação. E então, como proceder? A solução, claro, é estar bem informada e tomar as medidas de precaução necessárias.

Dessa forma, a revista Bem Mulher consultou a dermatopediatra Iwyna França. Confira a entrevista e garanta um verão saudável para você e seus pimpolhos.

Quais são as principais doenças no verão?

Podemos destacar seis:

1) Queimadura solar
A queimadura solar resulta de uma exposição excessiva à raios ultravioleta (UV). Ela deixa a pele vermelha e dolorida e, às vezes, provoca bolhas, febre e calafrios. Para se prevenirem, as pessoas devem evitar a exposição excessiva ao sol e usar protetor solar.

2) Acne solar
A maior exposição ao sol e o calor do verão tendem a agravar a oleosidade da pele, favorecendo o surgimento de cravos e espinhas. O jeito para evitar a acne solar é protetor solar à base de gel e água, de toque seco, não comedogenicos e oil free. Não esqueça de ir à praia antes das 10:00 e após as 15:00h, usar roupas, chapéus, bonés, óculos e comprinhas com proteção Ultra Violeta (UV).

3) Fitofotodermatose (queimadura com limão)
O suco de frutas cítricas e certas ervas podem causar uma queimadura quando entram em contato direto com a pele e ao mesmo tempo há exposição solar. Essa queimadura pode ficar vermelha, causar bolhas, e o mais comum: causar uma mancha escura na pele. O tratamento pode ser feito com limpeza local, cicatrizantes, proteção solar e clareadores, a critério do dermatologista.

4) Micose de praia, pano branco ou pitiríase versicolor
O fungo Malassezia sp. é naturalmente encontrado na pele humana, inclusive algumas pessoas tem predisposição genética a essa micose. Ela aparece mais frequentemente no verão, devido ao calor, umidade e maior oleosidade da pele. Além disso, se ela já estiver presente na pele antes do verão, a mancha esbranquiçada ficará mais evidente devido o contraste com o corpo bronzeado. Deve ser tratada com antifúngicos receitados pelo dermatologista.

5) Miliária ou brotoeja
A brotoeja é mais comum em bebês e crianças. Ela é uma dermatite inflamatória causada pela obstrução das glândulas sudoríparas, o que impede a saída do suor. O tratamento inclui usar roupas frescas e evitar locais muito quentes e úmidos, colocar um pouco de talco líquido nos locais afetados, fazer uso de agua termal e compressas úmidas com chá de camomila.

6) Bicho geográfico
O bicho geográfico é uma larva que penetra na pele, e deixa um rastro eritematoso visível e coceira intensa por onde passa. causando coceira e vermelhidão. . Deve ser tratada com antiparasitários receitados pelo dermatologista.

De quantas em quantas horas é necessário utilizar o protetor solar no dia a dia?

No alto verão, o protetor deve ser aplicado 30 minutos antes de se expor ao sol e reaplicados a cada duas horas; se entrar na água ou transpirar em excesso, ele deverá ser aplicado antes deste prazo.

É importante hidratar a pele todos os dias? 

A pele sofre só pelas altas temperaturas. Associado a isso, tem-se banhos mais frequentes, banhos de piscina (cloro) e mar (sal). Tudo isso provoca e piora o ressecamento da pele, o que leva a uma alteração na barreira cutânea e maior predisposição à infecções, irritações e dermatites. E muito importante hidratar a pele diariamente, de preferência após o banho.

Quais os cuidados com que se teve ter com picadas de inseto?

No verão nos expomos mais em atividades ao ar livre.  Além disso, geralmente as roupas são usadas em menor quantidade e tamanho, e o calor favorece a multiplicação dos insetos. As picadas podem provocar reações alérgicas locais em resposta às proteínas presentes na saliva do inseto. Normalmente não provocam reação alérgica generalizada (anafilaxia), mas podem causar inflamação local e ser uma porta de entrada para infecções. Além disso, podem transmitir arboviroses ( dengue, chickungunha, zika ou febre amarela).

Existem produtos que na sua composição tenham repelente e protetor solar? 

Existem combinações de protetores solares com repelentes. Entretanto, o tempo para reaplicar o protetor solar no verão (2h) é diferente do tempo necessário para reaplicar o repelente (4 a 8h, a depender da concentração). Será necessário ter em mãos um fotoprotetor isolado, para que este seja reaplicado neste intervalo de tempo.

Iwyna França é dermatopediatra, especialista em pediatria pela Sociedade Brasileira de Pediatria e pela Associação Médica Brasileira. Possui pós-graduação em dermatologia e especialização em dermatologia pediátrica. Ainda é membro do Departamento de Dermatologia da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e do Departamento de Dermatologia da Sociedade Paranaense de Pediatria.